.arrumações

Estou numa espécie de balanço existencial. Digo espécie, pois para fazer um balanço da nossa vida é preciso pensar nela e, a título de aparte, pensar neste momento é uma actividade que me aborrece. Ponho mãos à obra para terminar uma tarefa que há muito adio, compilar a informação dispersa pelos cadernos e blocos que possuo, demasiados para uma vida só. Talvez me ajude a ter as ideias que, neste momento, me faltam; ou, simplesmente, me ajude a recordar palavras sábias escritas por outros:

“(…) uma oportunidade perdida só o é se nos esquecermos dela. O falhanço de hoje é, amanhã, uma bela história para contar.” // “A felicidade não pode ser só o que há, senão apodrecemos, mas também não pode ser só o que desejamos, senão ficamos com uma neurose de tanto ansiar pelo que há-de vir.” // “É por não saber nada dos outros que escrevo histórias sobre os outros. Para aprender. Haverá outra razão para fazer as coisas.”

Rui Zink inLuto pela Felicidade dos Portugueses

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s