.mudámos ou o last post por estas bandas

Mudámos de nome e formato, a identidade do autor ainda é difusa e as ideias meio dispersas, a misturada aumentou na mesma proporção da simplicidade. Estamos no Tumblr em http://filipebernardes.tumblr.com/, para quem tem conta basta seguir, para quem não tem há um botão no topo preparado para que não nos abandonem tão cedo.

Anúncios

.será que funciona?

Produtividade. Desempenho. Êxito. Qualidade. Meras palavras ou algo a que o comum mortal pode aspirar? Ao longo dos últimos 6 meses, publiquei 8 posts relacionados com um dos métodos de produtividade pessoal mais famoso dos últimos tempos, o GTD – Getting Things Done, desenvolvido por David Allen.

Nos dias que correm, é normal que nos sintamos cada vez mais ansiosos e stressados, principalmente pela dificuldade em conciliar interesses profissionais com pessoais. Cada vez mais, queremos apagar da nossa memória o estereótipo do yuppie, deixar de medir o nosso sucesso apenas pelo desempenho profissional; queremos um emprego que nos realize, onde sejamos bem pagos e que nos permita ainda ter tempo para a família, para os amigos e para tudo o que nos faça sentir bem conosco mesmos.

Será, então, o GTD uma via para atingir tais objectivos? Sim e não, simultaneamente. Como já havia referido, todos os métodos de produtividade pessoal têm os seus aspectos positivos e negativos. Nenhum é totalmente perfeito e aplicável na íntegra, cabendo a quem os pretende aplicar pensar quais os aspectos que se ajustam à sua vida e os que são dispensáveis ou pouco práticos.

Vantagens do GTD

  1. O calendário, como núcleo do nosso sistema de produtividade pessoal é, talvez, um dos melhores conceitos do GTD. Devidamente utilizado, permite-nos optimizar todos os compromissos dependentes de um dia/hora, desde que não caiamos na tentação de o atolar em tarefas que podem ser realizadas noutra altura (ou que não são dependentes de um contexto temporal).
  2. O processo de recolha permite-nos ter uma ideia do que temos para fazer (o que, por vezes, pode ser quase desmotivante). Desde que processada de forma eficaz, essa informação ajuda-nos a esquematizar as nossas tarefas e objectivos, impulsionando a sua execução. O segredo, no processamento dos itens incompletos, reside na simplificação das ferramentas: um simples caderno pode ser mais eficaz que um programa informático, com o qual teremos de aprender a trabalhar e nem sempre teremos acesso; por outro lado, a criação de um número muito grande de listas pode levar à dispersão da informação.
  3. O conceito de que qualquer tarefa deve ser encarada como um projecto pode induzir alguma confusão, mas tem a vantagem de nos fazer pensar em todos os passos necessários para a concluir.
  4. A noção de contexto permite-nos agrupar tarefas, optimizando o tempo que dedicamos a elas e os meios que temos disponíveis. Mais uma vez, é importante simplificar: por exemplo, em vez de duas listas distintas, uma para o e-mail e outra para tarefas a desempenhar quando temos acesso a um computador, porque não apenas uma lista, com as tarefas a desempenhar nesse contexto? Mais simples e igualmente eficaz!
  5. A fase de revisão, mesmo que não seja semanal, obriga-nos a verificar a execução das tarefas pendentes e o estado em que se encontram os nossos objectivos.

Desvantagens do GTD

  1. Conceptualmente, é bastante simples: identificamos o que temos de fazer, contextualizamos e fazemos. Do ponto de vista prático, não é muito intuitivo e obriga-nos a criar um número de listas quase proporcional aos contextos em que nos movemos (trabalho, casa, computador, telefone, …).
  2. Para que o sistema funcione é quase obrigatória uma fase de adaptação, moldando os princípios do GTD à nossa realidade (o que pode demorar muito tempo).
  3. Escrever todas as coisas que temos para fazer não implica, como defende David Allen, deixar de pensar nelas – ideias e pensamentos podem co-existir em simultâneo em diversos lugares! Para além que isto nem sempre é mau: pensar constantemente num problema pode levar-nos a soluções muito criativas.
  4. Durante a fase da recolha, qual o limite para os itens incompletos?
  5. Incubação, listas “Um Dia/Talvez” e delegação podem facilmente tornar-se numa forma de protelar o que temos para fazer.
  6. Só porque uma tarefa demora pouco tempo, não implica que a tenhamos que desempenhar de imediato, o que vai contra a ideia de “tudo o que demore menos de dois minutos deve ser feito já!”. Muitas vezes, são as pequenas tarefas, que podem ser concluídas em qualquer altura, que nos fazem perder tempo e impedem de concluir o que é verdadeiramente importante.
  7. Não é aplicável em contextos profissionais onde reine o caos e a anarquia: por muito boa vontade que tenhamos, existem pessoas que acham que o tempo, o deles e o nosso, estica por magia, que tudo é prioritário e que se não fazemos é porque somos preguiçosos e desorganizados (mesmo que sejam eles que não se lembrem que aquilo que nos pediram hoje não era prioritário ontem, e que estamos a tentar acabar algo que nos pediram há cinco minutos e era mesmo, mesmo, mesmo muito urgente…).
  8. Processar o e-mail segundo os princípios do GTD pode ser moroso, tornando-se mais eficaz utilizar um sistema de pastas (por assunto ou site) e regras.

Não sendo perfeito e universal, o GTD não deixa de ter o seu interesse e utilidade, especialmente quando perdemos algum tempo a pensar nos seus princípios-chave e na melhor forma de os adaptar ao nosso modo de funcionamento. A dificuldade que muitos (eu incluído) sentem na sua aplicação, não está directamente relacionada com o método, mas sim com as formas de organização e funcionamento das diferentes pessoas com quem temos de lidar, diariamente e ao longo da vida. A aplicação de qualquer método de produtividade pessoal seria sempre facilitada se todos o seguissemos, o que raramente acontece. Daí que a palavra-chave (e correndo o risco de me repetir) seja sempre a mesma: adaptação.

Ver também
.GTD: acção
.GTD: revisão
.GTD: organização
.GTD: processamento
.GTD: recolha
.GTD: preparação
.GTD: as cinco fases
.GTD: apresentação

Links interessantes:
26 Reasons Not to Use GTD
GTD for Absolute Beginners
GTD: 4 dicas simples para facilitar a adoção deste método de produtividade pessoal
Your GTD System Isn’t the Problem
Taking A Look at Getting Things Done
Overwhelmed by Your To-Do List? Go With a ‘Will-Do’ List Instead
10 GTD “holes” (and how to plug them)
5 Things GTD Won’t Fix